segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Capítulo 2

Pov. Vanessa
- Zachary? –Sarah perguntou enquanto caminhávamos lado a lado em direção a saída da faculdade. A reunião em que eu teria acabou sendo cancelada então a minha única saída era almoçar com a loira  baixinha em um dos restaurantes próximo a faculdade.
- Sim. –falei sorrindo.
- Por que eu não tenho um namorado fofo como ele? –Sarah fez um bico fofo. Desde que eu a conheci era sempre a mesma coisa, ela conhecia um cara os dois saiam, ela se via encantada e depois de uma transa o cara simplesmente sumia, ela chorava por alguns dias e quando eu menos esperava ela estava sorrindo de novo.
- Você ainda vai achar seu cara certo. –tentei anima-la.
- Isso é o tipo de coisa que você diz pra uma menina de quinze anos que acabou de perder seu primeiro namorado e essa minha fase já passou.
- Tá. –parei em sua frente. –Você vai ficar pra titia e morar com uns cinquentas gatos.
- Idiota. –ela falou rindo. Ri de sua cara e virei para voltar a andar isso se eu não fosse o suficiente lerda pra acabar esbarrando com alguém e caindo sentada.
- Ai. –reclamei fazendo um bico e pude ouvir a risada escandalosa de Sarah ecoar pelos corredores praticamente vazio. –Para de rir e me ajuda. –falei e antes que ela pudesse tomar qualquer atitude vi um braço nada feminino ser estendido na minha frente.
- Desculpe. –um sorriso sincero surgiu nos lábios daquele homem que olhando ate bem não era nada feio.
- Foi culpa minha. –ele me olhava fixamente nos olhos e aquela situação estava meio constrangedora, apesar de já está de pé ele ainda segurava a minha mão e a todo momento eu sentia seus olhos me encarando. –Obrigada pela ajuda. –falei sorrindo fraco e puxando minha mão da sua gentilmente.
- Vamos? –Sarah falou me puxando pelos braços e enquanto era arrastada pude ouvir um “Nós esbarramos por ai.” Seguido por um belo sorriso torto. –Caramba qual a macumba hein? –Sarah me encarou.
- Hã? –de que porra ela tá falando mesmo?
- Primeiro que seu noivo ou namorado sei lá é um gostoso, só disso voce tem uma puta de uma sorte e agora me esbarra com um Deus Grego daqueles. Voce deve ter feito algum tipo de macumba só pode.
- Aposto que ele nem era tão bonito assim. –Sarah me olhou com uma cara “Jura!?”  -E mesmo que fosse eu já sou comprometida. –falei mostrando a aliança em meu dedo.
- Olhar não é pecado e muito menos traição.
- Tanto faz. –dei de ombros e coloquei pressa pra que ela andasse mais rápido afinal eu ainda teria que almoçar e voar pro trabalho se não quisesse perde-lo.

*****

Pov. Zachary
- Ah, oi. –ela falou assim que fechou a porta e me viu sentado no sofá. –Você deve ser o professor substituto certo?
- Sim. –falei sorrindo e levantando. –Zachary Efron. –estendi minha mão em sua direção e ela deu um aperto leve. Sua mão era tão fina e delicada que se eu tentasse um aperto mais forte poderia ter a sensação de machuca-la.
- Megan. –ela sorriu. –É estranho ver outra pessoa além de mim nessa sala. –ela colocou seus pertences sobre a mesa e sentou-se na cadeira.
- Onde está os outros professores? –a olhei.
- Todos saem e vão ate uma cafetaria próximo daqui.
- Todos menos nós dois certo?
- Eu prefiro ficar por aqui mesmo, adiantar algumas coisas pras aulas eu não tenho tanto tempo como eles. –ela respirou fundo e apesar de linda eu pude ver o cansaço em seu rosto. –Mas agora que você sabe pode ir acompanha-los.
- Não. –falei sorrindo fraco. –Eu prefiro o silencio. –ela sorriu fraco.
Entramos em uma conversa amigável e ela me contou um pouco sobre a vida dela e de como ela veio parar aqui no colégio. Megan me contou que estava em seu primeiro ano na faculdade de medicina no turno que por coincidência era a mesma  faculdade em que Vanessa estudava, quando me dei conta o sinal havia tocado novamente e ambos saímos cada um seguindo para a sua sala.
O tempo passou rápido e quando o final da tarde chegou eu caminhei ate a sala dos professores para pegar alguns pertences que havia deixado por lá mais cedo. Resolvi ligar pra Vanessa e saber se a mesma queria que eu fosse busca-la no trabalho, retirei meu celular do bolso e enquanto arrumava minhas coisas esperei a morena da minha vida atender o celular.
Ligação on:
- Oi amor. –ela falou de uma forma doce assim que atendeu e eu involuntariamente sorri largo.
- Oi morena. –falei e pude sentir um sorriso surgi em seus lábios. –Estou saindo do colégio quer que eu vá te pegar?
- Eu ficaria muito feliz se isso acontecesse.
- Chego ai em mais ou menos meia hora ok?
- Ok. –pude ouvir a voz de Sarah ao fundo. –A Sarah quer uma carona.
- Tudo bem. –falei sorrindo. –Te amo.
- Eu também te amo.
Ligação off:
Assim que abri a porta dei de cara com Megan  e pelo jeito ela estava mais do que atrasada.
- Aconteceu alguma coisa? –perguntei dando passagem para que ela pudesse entrar.
- Eu estou mais do que atrasada, perdi o taxi que sempre pego e hoje eu tenho uma prova na faculdade que começa daqui a dez minutos. –ela falou procurando por algo. –Achei. –ela falou sorrindo ao ver seu celular no chão embaixo da mesa. –Tchau Zachary. –ela passou por mim feito furacão e pude ouvi-la resmungar como chegaria a tempo.
- Hey Megan. –a chamei e ela parou. –Estou indo buscar a Vanessa, ela trabalha bem próximo a faculdade se você quiser uma carona eu posso deixar você perto.
- Serio?
- Sim.
- Eu aceito. –ela sorriu e começamos a andar indo em direção ao estacionamento.

******

Pov. Vanessa
- Eu não sei o que seria de mim sem essa carona do Zachary. –Sarah falou enquanto arrumávamos as nossas coisas.
Acho que eu ainda não mencionei o que estudo certo? Não? Ok vamos lá, eu por mais estranho que pareça optei por fazer direito, a ideia de se tornar uma advogada me parecia perfeita, por sorte meu pai tinha um velho amigo que tinha um escritório de advocacia aqui mesmo em Nova York e como os dois se conheciam a anos ele resolveu me dá uma chance, Sarah já trabalhava aqui a algumas semanas e como fazíamos faculdade e trabalhávamos juntas ficou meio impossível não surgi uma amizade.
- Mas eu sei. –arrumei tudo e peguei minha bolsa indo em direção a porta. –Horas e mais horas esperando por um taxi.
- Verdade. –ela falou saindo e fechando a porta logo em seguida. Passávamos pelos corredores falando “Tchau” e “Até amanha” com alguns funcionários que provavelmente virariam a noite por ali.
- Eu estou morta. –falei sentando em um banco que havia por ali. –Quero a minha vida do ensino médio de volta. –fiz um bico e Sarah riu.
- Eu também quero. –ela fez um bico ainda maior e cruzou os braços. Não demorou muito e eu vi o carro de Zac parar do outro lado da rua mas ele não estava sozinho, tinha morena ao seu lado e que porra é essa? Ela está o abraçando? Ou melhor o agarrando pra ser mais claro, e como se não bastasse ela ainda deposita um beijo em sua bochecha.
Senti meu corpo ficar quente e meus punhos se fecharem, era como se o mundo ao meu redor tivesse parado e a única coisa que ainda se movia era os dois ali bem na minha frente, ela praticamente voando pra cima dele e ele rindo? Perai ele estava rindo? Que porra é essa mesmo? Sem esperar pra ver o que aconteceria em seguida eu caminhei ate o carro em passos rápidos e pisando firme.
- Atrapalho. –falei de uma forma nada amigável e Zac virou-se para me olhar. Por algum motivo ela já o tinha soltado.
- Nunca meu amor. –meu amor? Ele estava sendo agarrado por outra e ainda tem a cara de pau de me chamar de amor. Ele saiu do carro e me puxou pela cintura, depositou um leve beijo em meu pescoço e quando eu senti que ela nós olhava selei meus lábios nos dele de uma forma bruta, queria mostrar principalmente pra ela que ele era meu, que ele já tinha alguém na vida dele. Quando a falta de ar atingiu nossos pulmões eu me separei dando uma breve mordida no lábio inferior dele.
- Obrigada pela carona Zachary. –ela falou sorrindo. –Sou a Megan, dou aulas no mesmo colégio que o Zachary e você só pode ser a Vanessa não é?
- Oi Megan. –sorri falsamente. –Exatamente a mulher que o Zachary diz ser o amor da sua vida.
- E eu aposto que é. –ela sorriu, ela só faz isso? Sorri o tempo todo? –Bom eu preciso ir ou irei me atrasar, obrigada mais uma vez Zachary e ate amanha.
- Não foi nada precisando é só pedir. –ela sorriu mais uma vez e saiu.
- “Precisando é só pedir.” –imitei seu tom de voz e me afastei dele lhe dando um tapa no braço logo em seguida. – Eu espero que ela não precise.
- A morena marrenta com ciúmes? –ele falou rindo.
- To mesmo. –fala firme. –Eu acho bom ter ficado bem claro pra ela que voce já tem dona.
- Já tenho? Cadê? –ele fingiu procurar.
- Efron se v… –antes que eu pudesse terminar ele me puxou pela cintura unindo nossos lábios novamente.
- Já disse o quanto você fica linda assim toda bravinha e morta de ciúmes? –ele falou em meu ouvido.
- Olha só eu odeio interromper o casal jovem, lindo, encantador e o mais apaixonado do mundo, mas eu quero ir pra casa pode ser? –Sarah falou parando ao nosso lado. –Você deixa pra morrer de ciúmes em casa. –ela apontou na minha direção. –E você deixa pra fazer elogios que provavelmente terminará na cama assim que chegarem em casa ok? –ela apontou pra Zac. –Ótimo, tudo lindo agora vamos. –ela entrou no carro e eu e Zac fizemos o mesmo.


****

Pov. Zachary
Depois que deixei Sarah em casa, Vanessa se quer deu uma palavra e eu sinceramente acho que ela está fazendo um drama maior que o necessário, porra foi só uma carona que mal tinha nisso?
- V? –a chamei e virei para olha-la quando paramos em um semáforo. E como resposta recebi apenas o silencio. –Amor? –chamei novamente dessa vez colocando a minha mão sobre a sua perna, ela olha pra frente e em seus lábios um enorme bico tinha se formado. –Para com isso V.
- Não tô fazendo nada. –ela falou ainda olhando pra frente.
- Ah não só agindo feito criança. –falei retirando minha mão de sua perna e voltando a dirigir.
- Claro. –ela riu incrédula. –É isso que eu sempre fui pra você não é mesmo? Uma criança tola e mimada.
- Vanessa. –falei respirando fundo, eu estava cansado demais pra entrar em uma briga justo agora. –Eu não quero brigar.
- Ótimo. –ela fez um bico ainda maior.
O resto do caminho foi silencio, ela continuou com a cara emburrada e não deu uma palavra se quer e eu fiz o mesmo. Não tinha motivos para começarmos uma briga, não foi nada além de uma carona para uma colega de trabalho, o que tem demais nisso? Nada, absolutamente nada então pra que dá corda pra esse ciúme ridículo, tá não tão ridículo assim ate porque vê-la com ciúmes era bom, muito bom. Eu mal coloquei o carro na garagem e ela simplesmente saiu do carro e entrou em casa batendo a porta, respirei fundo antes de sair do carro a noite seria muito, muito longa.
- V, vamos conversa? –pedi entrando no quarto e, mas uma vez o silencio veio como resposta. – Amor. –toquei de leve em seu braço e ela apenas virou para me encarar. –Para com esse ciúme bobo. –ela revirou os olhos e soltou a respiração pesada.
- Não é ciúmes. –ela falou fazendo um bico e eu a olhei com uma cara de “Jura?” - Bobo. –ela descruzou os braços e segurou em meu pescoço. –É ciúmes sim, mas não é bobo e eu tenho os motivos.
- Motivos V? Alguma vez eu já dei motivos pra você desconfiar de mim? –isso era verdade eu a amava e nunca desde o dia em que começamos a nós envolver eu tive coragem de me envolver com outra pessoa.
- Eu vi como ela te agarrou. –ela fez uma careta. –E você deixou.
- Ela não me agarrou. –a puxei pela cintura colando nossos corpos e selando nossos lábios em um beijo quente e feroz. –Isso é agarrar. –falei depois de cessar o beijo. –E isso é apenas um beijo na bochecha. –falei a soltando e me afastando dela não totalmente mas uma distancia respeitosa, depositei um leve beijo em sua bochecha.
- Não foi isso que eu vi. –ela fez um bico e eu voltei a colar nossos corpos.
- Mas foi o que realmente aconteceu. –coloquei uma mecha de cabelo atrás de sua orelha. –Eu te amo demais pra fazer qualquer coisa que possa magoa-la morena. –ela apenas sorriu fraco e me puxou pela nuca selando nossos lábios novamente.

*****

Pov. Vanessa
- Bom dia morena. –Sarah falou com o seu humor matinal de sempre e nessas horas eu sempre me lembrava de Selena e por fala na morena eu teria que ligar pra ela hoje sem falta.
- Bom dia ser pequeno. –falei fazendo um bico. Eu mal dormi noite passada e agora eu estava sofrendo por isso. –Eu quero a minha cama. –falei com os olhos lagrimejados. Não, não iria chorar só pelo fato de querer a minha cama e sim de pensar no Zachary a tarde toda ao lado daquela mulher.
- A briga com o Zachary foi tão seria assim? –ela falou se referindo ao meu estado emocional.
- Não. –passei a mão na bochecha limpando uma lagrima.
- Ciúmes porque ele vai esta a tarde toda com ela no mesmo lugar. –ela falou firme e eu assenti. – Isso é tpm.
- Eu sei. –falei chorando e ela riu. –Não ri da minha dor. –dei um leve tapa em seu braço.
- Deixa de drama e vem comigo. –ela falou me arrastando.
Ela disse alguma coisa sobre ir na coordenação pra resolver alguma coisa. Perdemos praticamente dez minutos ali e eu agradeci mentalmente, a aula que estava acontecendo no momento não era uma das favoritas então eu sempre fiz de tudo para não assisti-la ou pelo menos me atrasar o máximo possível. Quando finalmente saímos de lá eu esbarrei em alguém de novo e caindo sentada.
- De novo? –resmunguei baixo e mais uma vez um braço masculino foi estendido na minha frente.
- Se continuar assim vou acabar machucando você. –não basta cair duas vezes um dia após o outro e ainda eu esbarro com o mesmo cara? –Desculpe. –ele falou ainda segurando a minha mão e me olhando.
- Não foi nada. –sorri fraco. –Eu que tenho que prestar mais atenção. –puxei minha mão gentilmente. –Precisamos ir. –falei caminhando ate onde Sarah estava. –Já estamos atrasadas.
- É eu também. –ele sorriu. –Só preciso achar a minha sala.
- Você é novo por aqui certo? –Sarah perguntou o olhando.
- Sim, cheguei ontem. –ele sorriu me olhando. –Alex. –ele estendeu a mão em direção a ela.
- Sarah. –ela o cumprimentou e cutucou meu braço.
- Vanessa. –falei apertando sua mão. –Vamos Sarah? –falei rezando pra ela falar um “Vamos”.
- Vamos te ajudar Alex. –ela me ignorou totalmente.
- Obrigado. –ele sorriu torto.
Ele falou a sala que procurava e por uma incrível sorte era a mesma que a minha e de Sarah. Ótimo um cara que esbarro por dois dias seguidos é o meu mais novo colega de classe, ate que ele era lindo, uma pena eu já ser devidamente comprometida.

*****

Pov. Zachary
Fiz questão de deixar bem claro o quanto eu a amava, era com ela que eu estava e era com ela que queria fica. Em momento algum passou pela minha cabeça a ideia de traí-la, ate porque oportunidade antes eu já tive e não fiz, não seria justo agora que cometeria um erro desses.
O turno da manha passou rápido e tranquilo, peguei meus pertences e fui em direção ao carro iria buscar Vanessa para almoçarmos. Por sorte não demorei muito pra chegar e assim que parei o carro em frente a entrada da faculdade avistei ela e Sarah conversando, ela gargalhou de alguma coisa e eu a observei sorrindo junto. Sarah notou que eu tinha chegado e a avisou, as duas andaram em minha direção e eu sorri feito um idiota enquanto via o sorriso dela nos lábios.
- Oi Zachary. –Sarah sorriu simpática e eu retribui sorrindo enquanto a puxava pelo braço dando-lhe um abraço  apertado. Apesar da pouca convivência eu gostava dela, era como se ela fizesse parte da minha família.
- Chega larga o meu homem. –Vanessa falou fingindo uma voz de brava enquanto a encarava.
- Não saio daqui nunca mais. Ela falou rindo e me abraçando pela cintura. Vanessa fez um bico e Sarah riu alto. –Awn ciumenta. –ela se afastou de mim e abraçou Vanessa. –Ele não faz o meu tipo. –ela sussurrou alto o suficiente para que eu ouvisse.
- Hum sei. –Vanessa espremeu os lábios.
- Bom casal pra tristeza de vocês eu vou indo. –ela soltou Vanessa e depositou um beijo na bochecha da mesma. –Até mais tarde morena.
- Até. –Vanessa retribuiu o beijo e ela saiu logo em seguida. –Minha vez ou eu vou ter que pegar senha? –ela falou me olhando. Eu estava encostado na porta do carro e ela estava um pouco afastada de mim.
- Deixa eu ver. –falei olhando pro nada. –Tem a senha 210 disponível.
- Idiota. –ela rolou os olhos.
- Mas como é você eu abro uma exceção.  –a puxei pelo braço e envolvi meus braços em sua cintura em um abraço apertado, enterrei meu rosto em seu pescoço e depositei um beijo ali. –Vamos?
- Vamos, porque eu estou morrendo de fome. –ela depositou um rápido selinho em meus lábios.
- Novidades, por favor. –falei e recebi um tapa no braço.
- Vamos logo. –ela falou se afastando e dando a volta no carro.
Segui para o restaurante de sempre, pedimos uma mesa e enquanto decidíamos qual seria o prato conversamos sobre todas as coisas possíveis. Assim que decidimos chamei o garçom disse o que queríamos e quando olhei pra Vanessa o sorriso antes que tinha ali deu lugar a uma cara fechada, ela olhava em direção a porta e eu virei para ver o que era e só quando vi Megan ali em pé entendi o motivo da raiva de Vanessa.

****

Pov. Vanessa
Eu só posso está vendo coisa, não é possível que aquela vadia com cara de santa sofrida estivesse bem aqui e justo agora? Fala serio desde que descobrimos esse restaurante eu e ele sempre vínhamos aqui todos os dias no mesmo horário e eu nunca, eu disse NUNCA a vi por aqui e não isso não é coincidência, ela o queria e isso estava estampado pra quem quiser ver.
Ela sorriu assim que o viu e eu rolei os olhos, pelo amor de Deus ela só sabe sorrir? E pra melhorar ele esta sorrindo pra ela, dei um chute na perna dele por debaixo da mesa e ele virou para me encarar.
- Tá vendo algum palhaço por acaso? –perguntei secamente e antes que ele pudesse responder ela parou ao lado dele com aquele sorriso idiota nos lábios.
- Oi Zachary. –ele levantou para cumprimenta-la e o encarei, queria mata-lo ali e agora. –Oi querida. –essa mulher está pedindo a morte. Ela veio ate a mim e eu continuei sentada depositou dois falsos beijos em meu rosto e voltou pra onde estava. –Coincidência encontrar você aqui. –ela falou alisando o braço dele e eu apenas assistia a cena com os olhos semicerrados e com uma enorme vontade de voar no pescoço daquela puta.
- E que péssima coincidência. –falei enquanto olhava em direção ao braço dele que ainda era alisado por ela.
- Er… então. –Zachary falou mudando de assunto. –É que eu gosto daqui é um ótimo lugar, uma boa comida.
- Ah então aposto que você tem uma boa indicação de algum prato certo? –ela soltou uma risadinha e voltou a olha-lo.
- Talvez. –o cara de pau sorriu.
- Não quero ser chata ou inconveniente mas… –ela hesitou em falar, mas eu já sabia o que viria logo em seguida.
- Mas? –ele perguntou? Que porra tá acontecendo com ele?
- Eu poderia me sentar aqui? É que eu estou sozinha e como fui criada em uma ambiente onde hora de almoço era sagrado eu não me sinto bem almoçando sozinha em uma mesa.
- Olha só uma moça de família. –falei sorrindo falsamente.
- Posso? –ela insistiu.
- Não. –falei seria e ela me encarou provavelmente pensando em alguma resposta.
- Sim. –ele respondeu enquanto me olhava com uma cara de “Pega leve!” Efron, Efron ai como eu quero te matar da pior forma possível.
- Obrigada. –ela sorriu mais uma vez. Pegou a cadeira e colocou próxima ate demais do Zachary já vi que hoje a porra vai ficar seria. – Tá um dia frio hoje né? –ela sorriu de novo.
- Megalin querida, é esse o seu nome não é? –eu sabia que não.
- Megan. –ela me olhou.
- Ah Megan. –sorri. –Você fez algum tipo de plástica ou usa alguma coisa no rosto?
- Como assim? –e ainda por cima se faz de tolinha.
- É que você não para de sorrir, tá usando algum Botox?
- Então Zachary. –ela me ignorou e praticamente se jogou no colo dele. –O que você me indica? Mas eu quero algum tipo de peixe.
- Já temos um tipo de peixe aqui na mesa pra que mais? –falei a olhando e ela entendeu o recado.
- Vanessa querida você se sente um tipo de peixe? –um sorriso vitorioso tomou conta dos lábios dela e Zachary apenas riu filho da puta!
- Desculpe querida não me lembro de fazer parte da sua família. –ela me ignorou mais uma vez e sussurrou algo no ouvido dele que eu fui capaz de entender. –Dá pra afastar ou tá difícil? –falei me referindo ao fato deles estarem próximo demais. Dessa vez os dois me ignoraram entrando em uma conversar animada, a única coisa que se passava pela minha cabeça era enorme vontade que eu tinha de voar pra cima dela e lhe dá uma bela sussurra. Eu estava farta de ver os dois conversando animadamente como se eu não estivesse ali. O garçom trouxe os nossos pedidos e comer estava sendo impossível já que eu sentia um nó em minha garganta de tanta raiva, terminamos o almoço e ele pediu a conta, mais uma vez os dois me ignoraram e voltaram a conversar enquanto o garçom não trazia a conta. Eu precisava fazer alguma coisa e assim eu fiz, puxei Zachary pela gola da camisa e selei seus lábios nos meus. Uma mão estava na sua nuca onde eu arranhava de leve provocando arrepios nele, a minha outra mão estava sobre a sua perna e como a intenção era provoca-lo e lembrar que eu estava ali deslizei a minha mão ate seu membro onde dei uma leve apertada, ele gemeu entre o beijo e eu repeti o ato. A vadia que estava sentada ao lado dele forçou uma tosse e ao ouvir ele tentou sair, mas foi em vão eu o segurei ali impedindo que ele se afastasse, quando a falta de ar atingiu meus pulmões eu finalizei o beijo com uma leve mordida em seu lábio inferior, ainda segurando seu pescoço e com o seu rosto bem diante do meu eu o encarei. –Que tal terminamos isso em casa? –falei fazendo a minha voz mais sexy possível.
- Zachary você pode me dá uma carona? –ela fez o belíssimo favor de interromper.
- Claro. –ele falou se afastando de mim o que me deixou com muita, mas muita raiva mesmo.
O garçom trouxe a conta e Zachary pagou, idiota ainda gasta a porra do dinheiro dele pagando por um almoço em que aquela filha da puta vez o favor de se convidar. Caminhamos os três ate o estacionamento onde o carro dele estava e naquele momento eu me dei conta de um pequeno detalhe, ele me deixaria no trabalho e seguiria para o seu sozinho com ela no carro, ótimo! Zachary assumiu a direção e eu entrei do lado do passageiro, a vadia entrou ocupando o banco de trás.
Vasculhei a minha bolsa a procura de algum chocolate já que por culpa dela eu não pude saborear uma das delicias daquele restaurante, por sorte achei uma pequena barra de chocolate abri o mesmo e antes de devora-lo a voz irritante daquela puta ecoou pelo carro.
- Chocolate engorda Vanessa. –ela falou com um sorriso tolo nos lábios. –E pelo que eu notei você é meio acima do peso. –dei uma risada irônica e invés de responder virei-me para Zachary.
- Estou gorda amor? –perguntei o olhando e virou o rosto para me olhar.
- Nunca. –ele falou sorrindo. –Minha mulher é gostosa. –sorri vitoriosa e me estiquei para depositar um beijo no pescoço dele, olhei rapidamente para ela o sorriso que antes tinha ali deu lugar a uma cara emburrada ao ouvir tais palavras de Zachary, ponto pra mim.

****

Pov. Zachary
Por ter chegado um pouco antes do horário de inicio das aulas eu e Megan seguimos para a sala dos professores que como sempre estava fazia, ela sentou-se no sofá e eu optei por sentar na cadeira.
- Você e a Vanessa namoram por muito tempo? –estávamos conversando sobre um assunto totalmente diferente quando ela me perguntou isso e eu fiquei meio confuso.
- Um ano, mas é como se fosse por muito mais tempo. –falei com um sorriso estampado no rosto.
- Ela é bem mais nova que você não?
- Sim e eu não vejo problema nenhum nisso. –e era verdade isso nunca me importou.
- Nem eu. –ela falou sorrindo. –É só que… –ela hesitou em falar.
- Só que? –perguntei a olhando.
- Imagino que ela tenha apenas dezoito anos certo? –assenti e ela continuou. –É que com essa idade é muita responsabilidade sabe? Digo faculdade, emprego e ainda um casamento, a maioria das garotas da idade dela só se preocupa com festas e faculdade. –ela falou me encarando e talvez ela estivesse certa. –Sei lá é só que eu acho sabe?
- Sei. –falei baixo e olhando pro nada.
E se ela estivesse certa? Vanessa tinha apenas dezoito anos e deveria está curtindo a vida e não presa a um cara que estava prestes a completar vinte nove anos, não deveria se preocupar em ter um trabalho ou responsabilidades de ter uma casa, ela era nova demais pra se ver presa a mim.
O resto do dia passou normalmente mas pra mim era como se não estivesse passando, e a conversa em que eu tive com Megan não saia da minha cabeça. Vanessa havia me ligado mais cedo e disse que já estava indo pra casa e que não seria necessário que eu fosse busca-la, pro meu alivio Megan conseguiu pegar o taxi no horário e eu segui pra casa, teria que resolver essa questão ou acabaria enlouquecendo, precisava ouvir dela se ela estava realmente feliz ou acomodada com o nosso relacionamento.

*****

Pov. Vanessa
Assim que cheguei em casa tomei um banho quente, demorado e relaxante, estava tão bom que eu quase dormi ali mesmo na banheira. Quando a coragem voltou pro meu corpo eu terminei meu banho, vesti uma blusa das minhas blusas favoritas que era de Zachary e desci as escadas me jogando no sofá, liguei a tv e fui passando os canais ate que parei em um onde passa uma serie. Eu ria feito uma idiota enquanto assistia, não demorou muito e eu vi Zachary passar pela porta, ele deixou suas coisas no outro sofá e sentou ao meu lado me estiquei um pouco para depositar um selinho em seus lábios e senti sua expressão se tornar tensa.
- O que foi? –perguntei o olhando enquanto ele olhava pra tv.
- O que foi o que? –ele permaneceu olhando pra tv.
- Você está tenso. –fiz um leve carinho em sua bochecha com o polegar.  –O que foi?
- Nada. –ele falou sem me olhar.
- Okay. –suspirei e voltei a olhar pra frente.
- Você é feliz? –ele perguntou depois de longos minutos no silencio.
- Como assim? –perguntei confusa, que tipo de pergunta era aquela?
- O nosso relacionamento. –ele falou apontando pra mim e pra ele em seguida. –Você é feliz por viver nele?
- Ninguém é feliz o tempo todo.
- Então você não é feliz? –ele me olhou.
- Não o tempo todo. –falei o olhando e ele franziu o cenho. – Sabe quando eu sou muito feliz? –ele negou com a cabeça e eu sentei em seu colo com uma perna de cada lado. –Quando estamos abraçados, quando ficamos deitados na nossa cama em um silencio total onde o único barulho é a nossa respiração descompensada, quando me diz todos os dias que me ama, quando conversamos, quando a gente briga. –ele me olhou meio assustado ao ouvir isso. –Não das brigas em si e sim com a forma em que nós nos reconciliamos, quando voce sussurra no meu ouvido dizendo que eu sou a mulher da sua vida e que nada no mundo ira nós separar, quando aquela Megan esta longe ai sim eu sou muito feliz. –falei tudo olhando nós olhos dele pra ele ter a certeza que eu estava falando a verdade. Eu era sim feliz com ele, era com ele que eu estava, era ele que fazia feliz mesmo quando eu estava triste ou com raiva, era ele que eu amava e era com ele que eu me sentia completamente feliz. –Eu sou feliz amor, não o tempo todo porque isso é impossível, mas você me faz feliz e isso é o que importa. –dei um rápido selinho nele e me afastei o olhando. –Eu te amo. –falei o olhando nos olhos, não deixei ele responder afinal eu sabia que ele me amava. Um sorriso bobo surgiu nos lábios dele o que automaticamente aconteceu o mesmo comigo, sorri feito uma bobona e selei meus lábios nos seus em um beijo calmo e apaixonante.

*****

Pov. Zachary
Toda a minha duvida em relação a Vanessa ser feliz ou não foram por agua abaixo, ela queria está comigo e era feliz por está ao meu lado. Um sorriso bobo estava em meus lábios assim que ela se afastou de mim e me olhou.
- Mas você só tem dezoito anos V, não gostaria de ir pras festas?  -a olhei ela sorriu de canto.
- Eu posso muito bem ir com você.
- Sou praticamente um velho de trinta anos, minha fase de ir pra festas acabou.
- Ah fazemos a nossa festa então. –ela mordeu o lábio inferior. –Que confesso ser muito, muito melhor.
- Hum, dessa festa eu gosto e não abro mão. –apertei de leve suas cochas e ela riu jogando a cabeça pra trás. –Vou tomar um banho ok? –ela sentiu. –Volto daqui a pouco lindo, cheiroso e gostoso.
- Sorte minha. –ouvi ela dizer enquanto subia as escadas.
Tirei minha roupa e segui para o banheiro, a agua quente foi perfeita, fechei os olhos e deixei meus músculos relaxarem. Assim que terminei sai de lá e vesti apenas uma cueca box descendo logo em seguida.
- Pronto. –falei sentando ao lado dela. –Lindo, cheiro e gostoso. –falei abrindo os braços enquanto ela me olhava da cabeça aos pés.
- E irresistível. –ela mordeu o lábio.
- Eu sei que sou.
- Convencido. –ela fez um bico e eu ri. –Amor. –ela me chamou olhando.
- Fala. –virei para olha-lo e ela tinha um sorriso sapeca nos lábios.
- Faz pipoca doce? –ela fez um olhar fofo. –Por favor. –juntou as mãos e fez sua melhor cara de santa.
- Por que eu deveria?
- Por que eu sou a ÚNICA mulher da sua vida. –ela falou firme e dando ênfase no “única.”
- Vai ter uma hora que deixará de ser única. –a olhei e seu olhar se tornou furioso.
- O que você quer dizer com isso Efron? –ela falou seria.
- Que um dia teremos uma filha que você não será mais a única mulher da minha vida. –me aproximei dela roubando um selinho. –Ciumenta. –falei indo pra cozinha.
- Não sou! –ela gritou.
Peguei tudo que era necessário pra fazer a tal pipoca doce e alguns minutos depois a mesma já estava pronta. Sentei onde estava e imediatamente Vanessa tomou o pote de pipoca que estava na minha mão, a morena se acomodou entre as minha pernas e quando eu dei por mim estávamos assistindo um filme bobo de terror, que mesmo sendo fraco Vanessa tomava um susto após o outro. No momento exato em que o filme tinha acabado meu celular começou a tocar por sorte ele estava na mesa de centro e eu me estiquei um pouco pra pegar.
- Alo? –pausa. –Tá tudo bem? –pausa. –Claro que posso, agora? –pausa. –Não, não está incomodando. –pausa. –Ok, encontro você lá. –pausa. –Tchau. –desliguei o celular e Vanessa que antes estava entre as minhas pernas estava em pé.
- Quem era? –ela me olhou.
- Megan. –falei levantando. –Parece que aconteceu alguma coisa.
- E você com isso? –ela estava brava? Sim ela já estava brava.
- Ela pediu pra encontrar com ela, precisa conversa. –quando ia sair em direção as escadas Vanessa me segurou.
- Você não vai. –ela falou firme.
- Claro que vou. –falei me soltando e subindo. Entrei no quarto e procurei por uma calça jeans e assim que achei a vesti, peguei a primeira camisa e vesti em seguida.
- Eu não acredito que voce vai simplesmente sair de casa correndo pra encontrar aquela vadia. –Vanessa falou entrando no quarto.
- Sem ciúmes Vanessa. –tentei sair mas a morena irritada bloqueava a passagem.
- Você vai mesmo me larga aqui sozinha por causa dela é isso? –ela cruzou os braços.
- Eu não demoro ok? –falei segurando em seu rosto.
- Se for não precisa voltar.
- V….
- Quer saber? –ela retirou minhas mãos do seu rosto e saiu da frente da porta. –Foda-se quer ir? Ótimo vai, aproveita e fica com ela. –ela gritou e me empurrou fazendo com que eu saísse do quarto. Ouvi a chave girar e quando tentei abrir estava trancada, Megan estava me esperando e como já tinha dito que iria não podia voltar atrás, quando eu voltasse tentaria me acertar com a Vanessa.



Hey my girls,
depois de séculos estou de volta com esse capítulo grande e cheio de ciúmes hehe
espero que gostem e comentem muiiito
Bom é isso
até qualquer hora
xoxo
P.S. Que gif é essa,que homem é esse Jesus abana haha

5 comentários:

  1. O Zac tá pisando na bola e feio c a Vanessa
    A fic mal começou e eu já tô com dor no coração
    Continua amr...saudades
    Xx

    ResponderEliminar
  2. Cara eu não entendo como o zac nao vê que a Megan esta usando ele. Poxa ele é um babaca mesmo largando a Vane sozinha pra ir atrás daquelazinha. Posta mais estou ansiosa para saber a atitude da Vane com a saída do zac. Bjoss

    ResponderEliminar
  3. Ô homem iludido viu? Comassim ele dxou a V? Cara, ele deixou uma Vanessa Hudgens pra ir atrás de uma qlqr? Não vi isso ashaush. Me ajuda a divulgar minha fic? Agradeço desde já! :3 http://stehudgens.blogspot.com.br/

    Ste Mandola
    xoxo

    ResponderEliminar
  4. A melhor fanfic <3

    Estou super ansiosa, posta logo, please!

    ResponderEliminar