quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Capítulo 12

- Fala de uma vez. –Vanessa a olhou. Fazia exatamente dez minutos que os três estavam ali sentados um encarando o outro. –Ou você veio aqui pra ficar nos admirando?
- Eu não sei por onde começar.
- Eu tenho uma sugestão. –Vanessa a olhou. –É só começar pelo começo. –ela falou e Zachary segurou a risada.
- Não é tão fácil como você pensa.
- Giovanna fala logo ok? –Zachary se pronunciou. –Caso contrario você pode ir.
- Primeiro eu queria pedir desculpas.
- Pelo o que mesmo? –Vanessa fingiu uma cara de quem não sabia do que se tratava.
- Por todas as ameaçadas idiotas e tolas, desculpas pela forma que agi com você Vanessa. –ela a olhou mostrando realmente que estava arrependida.
- E o que mais? –Vanessa a olhou.
- O acidente do Zachary. –ela falou em voz baixa.
- O que tem o meu acidente? –Zachary a olhou.
- Eu meio que me envolvi nisso.
- O que? –Vanessa praticamente gritou. –É dessa forma que você diz ama-lo? Tentando mata-lo? Você é completamente louca!
- Eu sabia que ele não morreria. –ela falou firme. –Foi tudo armado perfeitamente, eu só queria que ele perdesse a memoria, queria que ele apagasse você de uma vez da vida dele.
- Você sabe que pode ir presa por isso não é? –Zachary a olhou.
- Sei, e aceito pagar por um erro meu.
- Você disse que “meio que se envolveu” isso quer dizer que tem mais gente envolvida? –Vanessa a olhou.
- Sim, e é sobre isso o que eu quero falar. –ela respirou fundo. –No começo eu achei que era apenas uma tentativa de separar vocês e eu aceitei afinal eu não queria te perder. –ela encarou Zachary por alguns segundos e voltou à falar. –Só que depois de ontem, da declaração que você fez pra ela. –Giovanna olhou para Vanessa. –Eu vi que não tinha mais jeito, vocês se amam e eu vejo  quanto esse sentimento é verdadeiro. –ela respirou fundo. –E foi por isso que hoje eu decidir que está na hora de seguir a minha vida e deixar vocês seguirem a vida de vocês.
- Lindo o discurso. –Vanessa forçou um sorriso. – Agora fala de uma vez quem estava te ajudando.
- Eu estava ajudando ele, foi tudo ideia dele. –Giovanna a olhou seria. –E depois de hoje eu vi que ele esta disposto a fazer tudo e quando eu digo tudo, é tudo mesmo pra ter você Vanessa.
- Você não está falando do Austin, está? – Giovanna balançou a cabeça confirmando. –Isso é mentira! –ela falou sem querer acreditar. - O Austin me conhece desde que tinha treze anos, ele quase foi o meu primeiro namorado e ele jamais faria algo de ruim contra mim.
- Ele tentou abusar de você ontem. –Zachary falou ao lembrar da noite anterior.
- Ele não ia fazer nada. –ela falou quase como um sussurro.
- Não tente defende-lo Vanessa. –Giovanna a olhou. –É verdade, ele sempre quis você e depois que vocês dormiram juntos então.
- Vocês dormiram juntos? –Zachary a olhou com a expressão seria.
- Tínhamos quinze anos, ele era meu professor de física nas horas vagas, era a minha primeira vez e nós dois vivíamos como gato e rato. –ela falou tudo tão rápido que se atrapalhou em algumas partes.
- Isso não vem a caso agora. –Giovanna falou e os dois viraram para olha-la. –O Austin está disposto a matar você Zachary. –ela falou e Vanessa arregalou os olhos assustada.
- Ele o que? –Zachary perguntou incrédulo.
- Ele disse que é capaz de armar tudo. –Giovanna falou nervosa. –E fazer todos acreditarem que a sua morte teria sido após uma tentativa de roubo.
- Precisamos fazer alguma coisa. –Vanessa falou tentando não mostrar a voz tremula. –Ir a uma delegacia sei lá.
- Não vai adiantar. –Giovanna a olhou. –Ele é rico, o pai tem vários amigos policias nada, exatamente nada iria acontecer com ele e claro ele me mataria.
- E vamos ficar aqui parados esperando o pior acontecer?
- Eu vou ajudar vocês. –Giovanna falou firme.
- Como é? –Vanessa a olhou com o cenho franzido.
- Eu vou procura-lo, dizer que quero continuar ajudando-o e quando descobrir o plano dele conto tudo pra vocês. –eles aceitaram a ajuda afinal não podiam recusa-la. –Eu tenho que ir. –ela levantou e seguiu ate a porta. –Por favor, tenham o máximo de cuidado por enquanto. –ela pediu olhando para Zachary que estava atrás dela.
- Pode deixar. –ele forçou um sorriso e ela o abraçou.
- Tá bom já pode soltar. –Vanessa falou levemente irritada com cena. Giovanna o soltou e deu um breve “tchau” saindo logo em seguida. –Não precisava abraços. –Vanessa fez um bico e ele foi ate ela a abraçando.
- Por que você está tremendo? –ele a apertou mais contra o seu corpo.
- Raiva por ve-la tocar em você. –ela mentiu.
- Não precisa ter medo meu amor. –ele falou ignorando a pequena mentira da morena.
- E se eu perder você? –ela falou tentando não chorar.
- Você não vai me perder. –ele se afastou um pouco e segurou o rosto dela com as duas mãos. –Não vai acontecer nada comigo ok?
- Eu prefiro morrer do que perder você.
- Hey. –ele a repreendeu. –Não quero ouvir esse tipo de coisa nunca mais ouviu?
- Mas é…
- Não, não é verdade. –ele a olhou nos olhos. –Nada vai acontecer ok?
- Ok. –ela falou quase em um sussurro.
- Agora vamos esquecer tudo isso e ter um dia como um jovem casal apaixonado merece?
- Vamos. –ela tentou sorrir porem era impossível o medo de que alguma coisa pudesse realmente acontecer tomava conta dela. Os dois subiram as escadas abraçados e em meios de beijos e “Eu te amo” assim que chegaram no andar de cima se despiram e foram direto para o banho.
- Amor? –Zachary a chamou. Ele estava na cozinha preparando algo pra eles comerem.
- Oi. –Vanessa entrou na cozinha vestindo uma camisa dele e ele é claro a olhou de cima a baixo.
- Na boa. –ele se apoio no balcão e a olhou. –Minha mulher é gostosa demais.
- Sua mulher é? –Vanessa se aproximou se apoiando no balcão na frente dele.
-Minha. –ele se debruçou sobre o balcão e colocou seu rosto próximo ao dela. –Só minha. –ele lhe roubou um selinho. –Sabe no que eu estava aqui pensando?
- Não. –ela balançou a cabeça e deu a volta parando ao lado dele.
- Que tal nós dois em Paris? –ele falou sorrindo e a segurando pela cintura colocando a mesma sentada sobre o balcão.
- Paris? –Vanessa falou surpresa. –Nós dois? –ele afirmou com a cabeça. – Isso é brincadeira não é?
- Não. –ele se ajeitou entre as pernas dela. –Eu tenho uma pequena casa por lá e faz anos que eu não vou lá.
- E quando nós vamos? –ela sorriu.
- Isso é um “Sim”?
- É claro. –ela sorriu largo. –Eu não seria louca de recusar um convite desses.
- As férias estão chegando, então vamos aproveitar desde o primeiro dia.
- Uma viagem romântica?
- E com muitas surpresas. –ele sorriu e depositou um beijo no pescoço dela.
- Como assim? –ela o segurou no rosto fazendo ele se afastar para olha-la.
- Surpresas ué.
- Não vai me contar?
- Se eu contar não será surpresa.
- Mas…
- Mas nada. –ele falou e colou seus lábios nos dela.


****


- Era o Austin o tempo todo? –Selena perguntou surpresa após ouvir tudo o que a amiga falou da conversa com Giovanna. Já era noite e a morena estava em casa, Selena jogada sobre a cama e ela sentada na cadeira em frente ao computador.
- Pois é. –ela espremeu os lábios. –Eu quase não acreditei quando ela disse.
- Por que vocês não vão em alguma delegacia ou sei lá, vocês não podem ficar esperando ate que alguma coisa realmente aconteça.
- O pai dele é rico esqueceu? –Vanessa olhou a amiga. –Não iria adiantar nada, nenhum policial acreditaria em nós e se acreditasse subordinaria os policias para esquecerem isso.
- Você tem razão. –Selena espremeu os lábios.
- Eu pensei em falar com ele.
- Ah pra dizer o que? –Selena sentou na cama cruzando as pernas. – “Austin meu querido para de tentar matar o meu namorado, porque nada me fará ficar com você.” –ela falou imitando a morena. – É isso que vai dizer?
- Não, mas eu tenho que tentar sei lá deixar claro que eu não sinto nada por ele.
- O Zachary não será louco de deixar você sozinha com o Austin.
- Ele não precisa saber. –Vanessa a olhou. –Ele não fará nada se estivermos em um lugar publico.
- Vanessa tira essa ideia da cabeça. –Selena falou com o tom de voz serio.
- Não Sel. –Vanessa falou firme. –Eu tenho que dá um jeito.
- Você não vai mudar de ideia né? –Vanessa balançou a cabeça negativamente. –Só me avisa quando decidir alguma coisa ok?  Eu vou está do seu lado.
- Sabia que ia me ajudar. –ela sorriu largo. –E a Ashley? Desde ontem que eu não vejo.
- Claro, passou o domingo inteiro gemendo pro Zachary ver alguém seria meio impossível.
- Ih o Nick não deu conta do recado não?
- Engraçadinha.
- Te amo. –ela sorriu. – Então vai falar ou não cadê a Ashley.
- Ela tá escondendo alguma coisa.
- Como assim?
- Hoje eu escutei uma conversa estranha dela no celular.
- Continua Sel.
- Ela dizia que iria buscar hoje pois iria usa-la provavelmente amanha.
- Buscar o que?
- Eu não sei, mas coisa boa não é.
- Você perguntou pra ela?
- Como se ela fosse dizer alguma coisa.
- Bom seja o que for iremos descobrir mesmo.
- Não vai encontrar com o Zachary?
- Não, ele volta pro colégio amanha e tem que descansar coisa que com certeza não ira acontecer se eu estiver lá.
- Vocês parecem dois animais no cio.
- Nossa falou a menina que só transa uma vez no ano e olhe lá.
- Sou uma santa. –ela falou rindo e Vanessa riu alto. As duas ficaram ali conversando ate que Selena decidiu ir pra casa, Vanessa tomou um banho, comeu alguma coisa e se jogou na cama completamente exausta.



*****


- Bom dia, bom dia, bom dia, bom dia. –Selena falou esbanjando felicidade como sempre.
- Seu humor matinal me irrita. –Vanessa falou emburrada com seu humor de sempre. –Deu pro Jonas ontem antes de dormi?
-Gata eu dou pro Jonas todos os dias. –Selena falou rindo. –E vamos entrar nesse assunto? –Selena arqueou uma sobrancelha. –Olha que a sua ficha no item “dá” tá muito melhor que o meu.
- Te odeio. –Vanessa falou revirando olhos.
- Te amo. –ela beijou o rosto da amiga. O sinal tocou e ambos se arrastaram ate a sala sentando nos lugares de sempre. – E ai morena o Austin tá ali vai ou não falar com ele?
- Agora? –Vanessa virou para olha-la.
- Claro, aqui não tem perigo em hipótese alguma ele fará alguma coisa.
Vanessa não falou nada apenas levantou juntando toda a sua coragem. Ele estava sentado rindo e conversando com alguns garotos.
- Vaza todo mundo eu quero falar com ele. –ela falou firme parando na frente da mesa dele. Ele ergueu olhar pra ela e a olhou de cima a baixo mordendo o lábio inferior, os outros esperaram algum tipo de ordem e ele balançou a cabeça dando permissão para que eles saíssem.
- Saudades Hudgens. –ele a olhou com um sorriso torto nos lábios. “Idiota!” Vanessa pensou.
- De você? Nunca. –ela sorriu irônica. –Eu só quero deixar bem claro que nada do que você fizer me fará ficar com você.
- Sou eu ou ninguém Hudgens. –ele a encarou.
- Escuta só uma coisa. –ela se abaixou colocando seu rosto na altura do dele e se aproximou do ouvido do mesmo. –Eu não cometeria o mesmo erro de ficar com você mesmo que você fosse o ultimo homem na face da terra.
- É o que veremos. –ele falou no ouvido dela mordendo o modulo de sua orelha. Vanessa levantou e o encarou.
- Todos em seus lugares. –a voz de Zachary ecoou pela sala e Vanessa virou para olha-lo. –Agora! –ele falou com uma cara de poucos amigos.
- Ele viu, não viu? –Vanessa sussurrou olhando para Selena assim que sentou.
- Pior que viu. –Selena falou a olhando.
- Ótimo. –Vanessa espremeu os lábios e sentou enterrando o seu corpo na cadeira.
Assim que o som do sinal ecoou pela sala os alunos logo trataram de arrumar seus pertences e saírem da sala.
- Zachary? –Vanessa o chamou quando os dois estavam sozinhos na sala.
- É melhor você ir ou vai se atrasar. – ele falou sem olha-la.
- Vai mesmo me tratar assim? –ela fez um bico.
- Vou. –ele finalmente a olhou e por um momento se derreteu ao ver o bico dela. –O que você tem na cabeça?
- Não é pra tanto Zachary. –ela o olhou. –Ele não ia fazer nada.
- Não importa Vanessa. –ele falou firme. – Eu não quero você perto dele, eu não quero nem que você pense em falar com ele.
- Estamos aqui, o que ele podia fazer?
- Ele é louco causou o meu acidente e tentou abusar de você. –ele respirou fundo. –Se ele fizer alguma coisa com você eu não respondo por mim. –ele se aproximou dela e a segurou pela cintura. –Promete ficar longe dele?
- Prometo. –ela sussurrou. –Não fica bravo, por favor. –ela fez uma voz fofa e um bico.
- E tem como ficar bravo com um ser fazendo essa carinha? –ele lhe deu um selinho demorado. –Vem pra casa comigo?
- Com uma condição. –ela o olhou.
- Fala.
- Eu quero muito, mais muito dengo ok?
- Ok menina dengosa. –ele sorriu fraco e colou seus lábios no dela.
- É melhor eu ir né? –ela se afastou dele e pegou sua mochila.
- Te espero na saída ok? –ele a puxou colando seus corpos novamente.
- Ok. –ela deu um rápido selinho nele e saiu da sala indo em direção a sua próxima aula.


*****


Pov. Vanessa
Minha cabeça pesava de uma forma inexplicável, meus olhos pesavam e a cada tentativa de abri-los era pior. Tentei me mexer mas sentir que minhas mãos estavam amarradas e provavelmente meu pés também, depois de muito esforço eu finalmente consegui abrir os olhos. Percorri o local com os olhos e era um quarto muito grande por sinal, não tinha muito coisa além da cama, uma tv e guarda-roupas, tentei me mexer de novo porem foi em vão realmente minhas mãos estavam amarradas assim como os meus pés. Um pedaço de fita adesiva estava sobre a minha boca o que me impedia completamente de gritar por socorro, “Ótimo fui sequestrada, provavelmente serei abusada e meu corpo será jogado em algum matagal. O que eu fiz de errado mesmo? Sou jovem demais para morrer e justo dessa forma. Droga!”
A ultima coisa que lembro era de está andando pelos corredores vazio do colégio, o sinal tinha tocado a alguns minutos avisando que era final das aulas. Eu andava distraída indo em direção a saída do colégio onde Zachary provavelmente me esperava até que alguma coisa foi colocada em meu nariz e eu simplesmente apaguei. Ouvi vozes no corredor e não, não era possível, não podia ser coisa dele.
- Pode deixa que daqui eu assumo. –ouvi Austin falando provavelmente com a pessoa responsável por ter me trazido ate aqui. A pessoa não respondeu e a porta do quarto foi aberta. –A bela adormecida finalmente acordou. –ele falou sorrindo e se aproximando de mim. –Já não era sem tempo. –ele fez carinho no meu rosto e o virei tentando desviar dos seus toques. Ouvi a voz dele embrulhava o meu estomago, ser tocada de qualquer forma por ele me fazia ter vontade de morrer. –Agora você é só minha Vanessa. –ele segurou em meu queixo fazendo com que eu o olhasse. –Sem ninguém pra nós atrapalhar. –meus olhos se arregalaram e eu fiz o impossível para que lagrimas não saíssem, ele retirou a fita da minha boca o que foi um alivio.
- Austin por que isso tudo? –falei depois de encara-lo pro alguns segundos. –Cadê aquele menino que sempre me ouvia e me dava conselhos? Onde está aquele menino que sempre ficou comigo quando as minhas amigas me davam um bolo?
- Morreu. –ele falou firme. –E vamos parar de blá, blá, blá e ir para ao que realmente importa. –ele colou seus lábios no meus e a única coisa que podia fazer era não corresponder aquele beijo. Minha vontade era sair dali o mais rápido possível, o pior era o que iria acontecer depois, ele com certeza iria terminar o que começou naquela noite.
- Austin, por favor. –supliquei já chorando enquanto ele distribuía beijos pelo meu pescoço e apertava um dos meus seios. Eu precisava e rápido dá um jeito de sair dali.
- Vamos só relembrar os velhos tempos. –ele retirou a própria blusa e me desamarrou porem não totalmente só me algemou na cama e deitou ficando por cima de mim.
- Por favor, Austin. –falei com a voz embarcada. –Eu tô gravida.
- O que? –ele se afastou me olhando. –Você o que?
- Por favor, eu suplico não faça nada. –ele não disse nada apenas levantou pegando a camisa e saindo do quarto.
Consegui ao menos me livrar agora mas isso não o impediria de tentar alguma coisa novamente, eu precisava de algum jeito sair dali e fugir.


*****


Pov. Zachary
Tinha mais ou menos uns dez minutos que o sinal tinha tocado e nada de Vanessa sair por aquela maldita porta. Talvez ela estivesse com Selena e Ashley afinal eu não vi nenhuma das duas saírem ate agora.
- Hey meninas! –gritei e as duas viraram vindo em minha direção. – Vocês viram a Vanessa?
- Ela disse que iria pra sua casa e saiu na nossa frente. –Selena falou me olhando.
- Estranho tem uns dez minutos que estou aqui e nada. –franzi o cenho.
- Já tentou ligar? –Ashley sugeriu. Peguei o celular e disquei o numero da morena.
- Caixa postal. –esperei. – Vanessa assim que ouvir esse recado me ligue. –falei e desliguei.
- Será que ainda está ai? –Selena falou apontando pra dentro do colégio.
- Me ajudam a procurar?
- Vão na frente. –Ashley falou pegando o seu celular começou a tocar.
Eu e Selena entramos no colégio e começamos a nossa busca, fomos a todas as salas, banheiros e ate mesmo no fundo do colégio onde ela costumava ficar e nada.
- Tô preocupada Zachary. –Selena falou nervosa.
- Será que ela foi pra casa?
- Sem avisar? Ela marcou com você, sabe que estaria esperando.
- Eu vou tentar ligar de novo. – peguei o celular de novo e assim que chamou pela segunda vez alguém atendeu porem ficou calado. Quanto mais eu dizia “Alo” a pessoa se calava e só era possível ouvir a respiração “Socorro Zachary!” ouvi a voz de Vanessa e a ligação foi encerrada.
- O que foi Zachary? –Selena perguntou preocupada.
- O Austin está com a Vanessa. –falei firme, era ele só podia ser ele.
- O que? Como assim? –ela perguntou confusa.
-Não sei, mas ela gritou por socorro. –respirei fundo tentando manter a calma. – Eu preciso acha-la. –falei indo em direção à saída.
- A Giovanna. –Selena falou a trás de mim. – Ela não disse que iria ajudar vocês?
- Eu vou atrás dela. –fui ate meu carro.
- Eu vou com você.
- Eu não acho que seja uma boa ideia pode ser perigoso e…
- Foda-se o perigo é a minha amiga que está em perigo e ninguém, nem mesmo você impedira que eu vá atrás dela.
- Ok, vamos.
- Droga Ashley cadê você? –Selena falou percorrendo a frente do colégio atrás da irmã.
- Vamos Selena.
- Vamos.
Entramos no carro e eu dei a partida rumo a casa de Giovanna.


******

Pov. Vanessa
Meu celular começou a tocar e eu queria realmente atende-lo e pedir por socorro, eu sabia que era o Zachary afinal eu marquei de encontra-lo na saída e nem tinha dado sinal de vida. Austin o atendeu porem não falou nada e a única coisa que pude fazer foi gritar por socorro e como consequência por tal ato acabei levando um tapa no rosto.
- Covarde! –gritei o encarando e fazendo o possível para que as lagrimas não saíssem.
- Cala a boca, porra! –ele gritou               .
- Austin, por favor, me solta. –pedi fazendo uma voz de choro. –Essas algemas estão me machucando. –ele me olhou por alguns minutos e levantou vindo na minha direção.
- Eu vou te soltar, mas nem pense em fazer nada ou eu mato você ouviu? –ele falava me encarando e eu conseguia ver uma arma em sua cintura. –Fui entendido? –ele segurou em meu rosto apertando as minhas bochechas e automaticamente fazendo um bico com meus lábios, apenas assenti e ele depositou um selinho em meus lábios. “Nojo” era isso que eu sentia dele.
O silencio pairou naquele quarto e as olhadas que vinham na minha direção era a pior parte, ele olhava para minhas pernas, analisava a minha barriga provavelmente tentando achar algum volume a mais por ali, olhava para os meus lábios e meus seios.
“Eu preciso dá um jeito de sair daqui.” Pensei enquanto analisava aquele quarto havia apenas uma janela e a mesma tinha grades, a chave da porta estava no pescoço dele o que tornava impossível qualquer chance de conseguir toca-la ou não. Ele queria a mim e iria ter, essa seria a chance de tentar pegar a chave.
- Sabe Austin. –falei me ajeitando na cama e ele se virou para me olhar. –Estamos aqui sozinhos, sem nada pra fazer seria uma se alguma coisa muito interessante acontecesse aqui não é? –falei mordendo o lábio inferior e rezando para estar sendo ao menos sexy.
- Não vou negar que a minha vontade é realmente foder com você. –ele falou sorrindo. – Mas eu sei o que você quer realmente. –ele segurou a chave. Suspirei um tanto frustrada por meu plano não ter dado certo. –Eu vou sair. –ele levantou. –Vou comprar alguma coisa pra você afinal gravidas precisam se alimentar. –eu estou louca ou senti uma ponta de ironia? –Ah nem tente gritar, afinal ninguém ira te ajudar. –ele falou e saiu batendo a porta e claro trancando.
“Ótimo, agora ele sabe que essa gravidez é apenas um pretexto pra fugir de qualquer coisa que ele tentasse contra mim.”


*****

Pov. Zachary
- Giovanna!  -mal sai do carro e já estava gritando por ela. –Giovanna! –eu não batia na porta e sim a esmurrava.
- Morreu alguém? –ela perguntou um pouco assustada.
- O Austin, ele sequestrou a Vanessa você está sabendo de alguma coisa? –perguntei nervoso. – Responde! –gritei fazendo a mesma pular de susto.
- Não, claro que não.
- Giovanna é serio, o Austin é completamente maluco e está com a Vanessa se você souber de alguma coisa é melhor falar. –Selena falou tentando manter a calma coisa que já tinha sumido de mim há muito tempo.
- Eu juro que não sei, depois daquele dia em que conversamos eu tentei ir atrás dele e voltar a atrás, mas ele simplesmente me ameaçou, disse que era pra sumir da vida dele ou você sofreria caso eu insistisse.
- Inferno! –soquei a porta com toda força que tinha. –E agora?
- Vamos chamar a policia dizer que ela está desaparecida. –Giovanna sugeriu.
- Eles só consideram desaparecimento depois de quarenta e oito horas. –Selena espremeu os lábios.
- Tem que ter algum jeito de acha-la. –passei a mão pelos cabelos.
Eu estava completamente nervoso e queria a todo custo ao menos saber  aonde a minha morena estava. Só de imagina-la trancada sabe-se lá onde com aquele filho da puta me deva uma raiva tão grande que eu seria capaz de mata-lo assim que o visse na minha frente.
- Vamos Zachary. –Selena me chamou já indo em direção ao carro.
- Pra onde? –perguntei meio confuso, mas mesmo assim seguindo-a.
- Vamos achar a Vanessa ué. –ela falou como se fosse obvio e era.
- Como?
- Eu sei quem pode ajudar. –ela entrou no carro e me olhou. –Anda logo! –ela gritou.
- Posso ao menos saber quem vai nós ajudar? –perguntei dando a partida no carro e só então percebi que Giovanna estava no banco de trás.
- Tem uma pessoa que pode conseguir rastrear o celular da Vanessa. –ela falou e mexeu na bolsa. –É um tipo de programa ou aplicativo eu não sei muito bem. –ela pegou o celular e discou o numero de alguém. Assim que desligou ela foi me guiando ate onde a tal pessoa morava.





Hey meninas
Volteiiii uhuul e com esse capítulo de tirar o folego cheio de emoções que continuam no próximo,haha
espero que gostem comentem muiiiito
e mais uma vez desculpa pela demora
bom é isso
até qualquer hora
xoxo

2 comentários: